Páginas

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

"ORÉSTIA"

Elenco de "Oréstia", de Ésquilo.
(foto divulgação)



CRITICA TEATRAL
IDA VICENZIA FLORES
(da Associação Internacional de Críticos de Teatro)
(Especial)


Vocês querem a verdade? Pois a verdade dói. A “Oréstia”, a tragédia dos Átridas, em cartaz no Teatro Laura Alvim, direção de Malu Galli, é uma decepção. Como não quero atrair a ira dos deuses sobre mim, e como essa nefanda missão crítica de apontar erros e acertos em uma tragédia é também uma tragédia, procurarei amenizar as consequências  começando pelos acertos: para contar essa historia de crenças, oráculos, previsões e lutos, há, entre os atores dessa “Oréstia”, uma “pequena gigante” atriz, Daniela Fortes,  no papel de Cassandra. Ela realiza as previsões como se uma Isabelle Huppert brasileira fosse (a cena das visões é a mesma em que Hedda Gabler (direção de Eric Cascade, Théâtre Odéon), queima - no caldeirão - a obra-prima de seu amante. As duas são bruxas, no melhor sentido). Há também outra atriz, Gisele Fróes, que coloca a cena grega em seu lugar, ao interferir como Atená, no julgamento final de Apolo, na visão de Ésquilo sobre a queda do matriarcado.
     O mundo não mudou, pelo menos até agora, e a solução de conciliação entre os sexos enfraquece os “fazedores de concessões” – como Atená, a deusa da sabedoria. Neste texto de Ésquilo, a deusa, ao querer converter a humanidade em um monumento à inteligência, acaba fazendo concessão à força. Sim, porque Agamenon (em tempos de guerra) sacrificou sua filha Ifigênia e “não” atraiu a cólera dos deuses, muito pelo contrario, os acalmou, ao dedicar a eles o sacrifício, para vencer em Troia. Esse gesto de Agamenon atraiu a cólera de uma mãe ultrajada: Clitemnestra, a mais forte das heroínas gregas – e a mais vulnerável. Malu Galli, interpretando-a e a dirigindo, deixou-se cair em uma armadilha: não é tão fácil assim “falar” com Ésquilo. Ela reuniu, em pouco mais de uma hora, a Trilogia, e fez os dois papéis: Clitemnestra e Electra. Podemos até entender Malu Gali. Ela tentou, mas não conseguiu o seu “morceau de bravure”.   
     Há momentos que poderiam ser belos, nesta versão de “Oréstia”, mas que são mal aproveitados. Exemplo: o início, a narrativa da trajetoria dos gregos e seus mitos. E tantos outros momentos, como a da tragédia de Ifigênia, enganada e assassinada pelo pai, ou as libações funerárias de Clitemnestra. Quanto ao elenco escolhido pela diretora, há acertos e erros. Luciano Chirolli, por exemplo,  possui péssima dicção (o que não se perdoa em ator de tragédia grega), há momentos em que não entendemos o que ele emite, há problemas de respiração. Entretanto, ele consegue um entrosamento final, em seu papel de Corifeu (o que acompanha todos os momentos), interpretando, no final, as Eríneas - as Fúrias - defensoras do matriarcado. Na cena final da peça Chirolli acerta, deixando-se tomar pelo espírito das “fúrias”. A tentativa de Atená (Gisele Fróes), de transformá-las em dóceis Eumênides, não é por elas bem recebida, porém, com as doces propostas da deusa, acabam capitulando. Essa capitulação só exalta a vitoria do patriarcado (de graves consequências para a humanidade, pois não?). Sim, fiz uma leitura da “Oréstia” do ponto de vista da mulher. Mas não do ponto de vista da matricida Electra, a filha vingadora da morte do pai.  
     Quanto aos atores, Otto Jr. e Julio Machado não possuem carisma e força para os papeis a que foram escalados. Machado ainda defende com bravura o seu Orestes, o que não chega a ser uma vitoria. O imperdoável, mesmo, nessa montagem, são os microfones para ampliar a voz do coro e para as vozes do Olimpo, que não deviam precisar de microfone. Apolo (Otto Jr.), o reivindicador, perde a força ao ter que segurar aquele erótico aparelho. (Perdão!). Quanto à ficha técnica, a produção foi cercada de todos os cuidados, pelo menos no que se refere à orientação corporal de Dani Lima e à luz de Maneco Quinderé. 
     A preparação vocal de Leticia Carvalho deixa a desejar, o mesmo acontecendo com os figurinos de Claudia Kopke e Marina Franco. Romulo Fróes e Cacá Machado, com suas músicas, apresentam boas propostas. As letras das canções, as declamações do elenco são dos mesmos autores, inspirados no texto de  Ésquilo. Se “direção de arte” envolve perucas (o que não acredito), Afonso Tostes precisa impor detalhes técnicos a elas, o mesmo não ocorrendo com o cenário, de sua autoria: esse causa um forte impacto (positivo) sobre a cena. A tradução (direta do original) é de Alexandre Costa e Patrick Pessoa, esse último também responsável pela dramaturgia. Malu Galli fica nos devendo a matriarca enfurecida: ao tentar defender seu papel de mulher enfrentando o domínio do homem, não ouvimos os gritos e protestos de Clitemnestra! Vemos o patriarcado vencer (meio à força, aqui nos trópicos ocidentais), no final da tragédia (preciso vê-la no Festival de Atenas!). Para saber se Apolo é culpado ou inocente por instigar Orestes a matar sua mãe, Atená (Gisele Fróes dá o tom certo para a deusa) comanda o julgamento. A votação, na concepção de Malu Galli, é feita por dez espectadores. Apolo perde – e não há “voto de Minerva” que o salve – ele perde de 8 a 2! As mulheres sempre são maioria, na plateia! Quem quiser saber (um pouco) dessa trágica historia de sangue e compulsão dos “Átridas”, vá assisti-la no Laura Alvim. Mas vá prevenida. Tenham todos um bom espetáculo!                          


7 comentários:

  1. Você confundiu Malu Galli com Vanessa Gerbelli!!!!

    ResponderExcluir
  2. Faço penitência. Para mim é uma dor muito grande ter que fazer observações negativas sobre um espetáculo.

    ResponderExcluir
  3. O mal já foi sanado...O mesmo não acontecendo com a "contra-crítica" de Hermano Vianna. O belo início da nossa civilização - uma mistura de Oriente e Ocidente - não pode ser apagado assim. Os cariocas não têm nada a ver com essa bela história. Ou será que estou sendo rígida? Como sou pretensiosa, considerei a coluna do sociólogo uma resposta às minhas ponderações. Ou é muita coincidência? Ponto por ponto refuta o que escrevi. (O que me surpreende, agora, é essa minha volúpia por confrontos, ah, ah!)

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Você tem razão, Rodrigo, foi uma coincidência. Fiquei surpresa ao ver os pontos abordados, o microfone, a ênfase na defesa à modernização (não tenho nada contra atualizar tecnicamente os grandes clássicos). O que me surpreendeu foi justamente a indicação de leituras, e a referência a espetáculos gregos realizados na Europa. Claro, ele pode abordar em sua coluna o tema que quiser. Pareceu-me, no entanto, querer orientar os que escrevem sobre teatro, no Brasil... ou então é insegurança de todo artista (considero-me uma), quando escreve sobre algo que ama. Valeu! Gostaria de saber quem é esse Rodrigo Moura, procurei no face, mas tem pelo menos uns cinco! Saudações

    ResponderExcluir
  7. Não posso agradecer ao Dr. EKPEN TEMPLE o suficiente por me ajudar a restaurar a alegria e a paz de espírito em meu casamento após muitos problemas que quase levam ao divórcio, graças a Deus que eu quis dizer o Dr. EKPEN TEMPLE no momento certo. Hoje posso lhe dizer que o Dr. EKPEN TEMPLE é a solução para esse problema em seu casamento e relacionamento. Entre em contato com ele em (ekpentemple@gmail.com)

    ResponderExcluir