Páginas

sábado, 2 de junho de 2018

"ROMEU E JULIETA"




IDA VICENZIA
(da  Associação Internacional de Críticos de Teatro – AICT)
(Especial)

Romeu e Julieta_foto © Wilton Montenegro 0566
"Romeu e Julieta", de Shakespeare. Direção Mariozinho Telles e Maria Rita Rezende. Em cena Julieta, a Mãe e a Ama. (Foto Divulgação)



           Eis um Shakespeare que continua fascinando os corações! 

           Registramos a apresentação da Cia. Teatro de Roda, com direção de Mariozinho Telles encenando “Romeu e Julieta”. 

           Trata-se da última direção do artista falecido em 2017, e os 'apaixonados de Verona', hoje pelas mãos de Maria Rita Rezende, viveram, até o fim do mês de maio, seu destino, na Casa de Cultura Laura Alvim. 

          E, certamente, estarão voltando para outros espaços! Há mérito neste renascer, e ele se concretiza nas mãos da companheira e perpetuadora do trabalho de Mariozinho.

           A montagem dos Clássicos em Cena,  marca registrada deste diretor, já levou aos palcos Bertold Brecht, “O Homem é um Homem”, Sófocles e sua “Antígona” - e muitos outros clássicos. Mariozinho conseguiu uma abordagem contemporânea para estes dramas, uma visão renovada.  É o que podemos observar neste “Romeu e Julieta” ano 2000.

      Criando seu teatro simples na Cia. Teatro de Roda, o diretor formou várias gerações de atores. Em um teatro que poderíamos chamar “de bolso”, eles viajaram pelo Rio de Janeiro levando seus espetáculos. A ação de Mariozinho vem de longe, dos anos 80, quando foi multiplicador do Teatro do Oprimido, de Augusto Boal. Hoje - e em 2017 - é a vez de “Romeu e Julieta”, com tradução de Onestaldo de Pennafort.  Trata-se de um trabalho continuado que a companheira e atriz Maria Rita Rezende conserva intacto.

          Mariozinho Telles participou do corpo docente de várias escolas de teatro, entre elas a CAL e a Escola Martins Pena. Hoje Maria Rita conserva o seu último trabalho, que destaca  o dramaturgo de Stratford  upon Avon. Ele ocupou, até final do mês de maio, um lugar no Espaço Rogerio Cardoso, da Casa de Laura Alvim. Certamente o espetáculo retornará em outros espaços. Atores e diretora estarão sempre prontos a assumir “Romeu e Julieta”, não deixando os apaixonados de Verona serem desvirtuados. Esta foi a promessa da companheira de vida e teatro de Mariozinho, Maria Rita Rezende. O elenco também está disposto a sustentar o estilo vibrante do diretor.

           Entre as atrizes tivemos Karina Diniz interpretando Julieta, com impetuosidade e acerto. Karina também mostrou versatilidade ao enfrentar a personalidade masculina de um Montecchio! Também Roberta Mancuso, no papel da Ama de Julieta, enternece o público com sua dedicação e esperteza. Trata-se de uma presença marcante. Há também Luciana Albertin desenvolvendo os 'cuidados' da Sra. Capuleto com sua filha Julieta... Ah! Essas mães, e seu poder de desencadear tragédias!  

       No elenco masculino destacam-se Mario Meirelles como Romeu, e Guilherme Salvador como Frei Lourenço. Também Lenilson de Mello  interpretando Benvolio é muito bem sucedido. Não é fácil segurar o espetáculo com o vigor que apresenta. Em cena nua, ele se sustenta no compasso do ritmo dos atores! A luz também é um grande parceiro (executada por um dos componentes da Cia.). É algo que fala por si. Os figurinos, em negro, lembram os coringas dos anos 70, com os atores revezando-se nos papéis e tornando vivo o jogo de cena. Este é um magnífico exercício teatral. 

       A composição de “Romeu e Julieta” é moderna, com o palco nu e a iluminação jogando com as mudanças de cena. A registrar a entrada do elenco, situando uma época que bem poderia ser a nossa, contemporânea, pois os atores utilizam mãos e corpo para extrair deles o ritmo do Hip Hop e do Rap, em movimentos livres e originais: o público encanta-se com a apresentação dos personagens. O único objeto de cena é um lenço vermelho que pode se transformar em um coração batendo, ou em uma ferida sangrando...
     ...e este recurso do diretor lembra-nos a paixão de Mariozinho Telles pelo teatro!  Podemos dizer que  os verdadeiros ‘imortais’ do teatro são os artistas que, como Mariozinho, passam as suas emoções como se vivos fossem...

        Vida longa ao “Romeu e Julieta” de Shakespeare, Mariozinho Telles e Maria Rita Rezende!  Provavelmente ele retornará em outros espaços desta tribo carioca!