Páginas

segunda-feira, 8 de junho de 2020

O POETA ESTÁ COM MEDO - BLOG DE IDA VICENZIA (AICT) - Associação Internacional de Críticos de Teatro

  1. Município de Itacoatiara terá 1ª edição de festival literário ...  ELSON  FARIAS 


  1. A obra deve ser lançada nesta quinta-feira (4) às 18h20, na Livraria Leitura – no Amazonas Shopping, Zona Sul de Manaus. 
  2. ALDÍSIO FILGUEIRAS

Os poetas conversam. Como nos versos dos chineses do Século V. - A.C.- estes dois 
poetas amazonenses, Elson Farias e Aldísio Filgueiras, também se correspondem
 através da poesia! Mais uma vez, e para nossa surpresa, a experiência de Murasaki 
e Genji renasce. Estes dois poetas amazonenses reinauguram a forma, e é tal a beleza
 de seus versos, que resolvemos reproduzi-los. Perdoem-me os amantes do teatro por 
não estar mais transmitindo em meu blog as peças estreadas em nosso país. Teatro é 
convivência, é respiração. Infelizmente, neste tempos estranhos, ele ficou no limbo,
 aguardando os nossos sonhos. Mas sempre sonhamos - e a nossa capacidade de
 sonhar estabeleceu esta bela correspondência entre os dois poetas amazonenses do 
século XXI. Seu sonho é verdadeiramente um sonho teatral. Vamos a ele!

ELSON FARIAS ESCREVE:

Bom-dia ALDÍSIO

O  POETA  ESTÁ  COM  MEDO


Borboletas amarelas
deixaram de aparecer
nos espaços das janelas.

Desistiu a saracura
de cantar pela manhã
no meio de tanta chuva.

Corta no espaço um relâmpago
o temporal na cidade
encheu as casas de pânico.

A lua sumiu nas nuvens
presa sem saber porque
entre assassinas impunes

O urutau  prega o caixão
a corujinha se cala
voa o morcego ladrão.

Querem votos os políticos
e disputam seu lugar
no lugar que era do vírus.

Não guardo nenhum segredo
o poeta está com medo.

(31/05/2020)

Abraços,
ELSON.


Eis a resposta de ALDÍSIO:


SÓ OS MORTOS NÃO TÊM MEDO

ALDÍSIO FILGUEIRAS

Meu caro, Elson, sou grato,
por este anúncio de sete
sílabas com que acordas,
também em mim, esse medo,
que espreita sem respeito
janelas sem borboletas.

Não te aflijas: só os mortos
não têm medo, poeta.
Eles cavalgam helicópteros
e cavalos sobre o verde
que apazigua as praças
públicas, porque a paz

os incomoda no tédio
que deve ser estar morto;
e desafiam a lei
da gravidade com voos
cegos que atropelam vidas
de gente e borboletas

amarelas, azuis, brancas
ou verdes que farão falta
ao arco-iris e à grama
que eles, os mortos, comem
à farta, pelas raízes.
Aves que não cantam mais.

já tiveram onde pousar
a elipse do seu impulso
exato. Figuras fortes,
recuperam-se do espanto
e resgatam à tempestade
a rima nobre do pânico.

trazida pelo relâmpago,
e não mais perdem o ânimo:
o susto inventa a cautela
e o caminho das pedras.
Janela sem borboletas,
espaços sem sinfonia

de pássaros, são imagem
e semelhança da cidade,
uma paisagem de lápides
imóveis, sem ressonância
- ali vinga o que se cala,
cada um com seu recalque,

culpa e arrependimento,
do que se chama pecado.
Querem votos os políticos?
Que se danem! Estão mortos!
Tudo o que fazem é visagem.
Bois, bois, bois de cara preta,

quanto querem de gorjeta?
Não guarde nenhum segredo,
Elson, diga às borboletas;
se a lua míngua na chuva
escancare a janela
e avise aos navegantes,

sem medo de morder a língua
ou quebrar o metro do verso:
"Sim tenho medo, logo, existo".
 
     

6 comentários:

  1. Que maravilha, Ida! Adorei essa conversa poética!

    ResponderExcluir
  2. Eu também Como é bom ter amigas como você, sensiveis. Encantam - me as leitura de Sylvia Regina Marin

    ResponderExcluir
  3. Olá Ida, tudo bem? Gostaria muito de saber como conseguir um exemplar do Calendário de Pedra. Como posso entrar em contato com você? Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Meu e.mail: vicenziaida@gmail.com Prezado Vitor, as vendas estão paradas. Quando o corona estiver menos nocivo posso providenciar o livro. Abraço, Ida Vicenzia

    ResponderExcluir
  5. Eu também gostaria de um exemplar do Calendário de Pedra! Entrei em contato pelo instagram e facebook, aguardo também, quando tudo melhorar. Abraço!

    ResponderExcluir
  6. Me chamo Bruno, falei sobre o livro, o comentário entrou sem meu nome. Mas aproveito pra deixar o parabéns pelo blog, lindos textos e poesias!

    ResponderExcluir